sábado, janeiro 28, 2006

StarWars – Episódio III: A Vingança dos Sith



Nunca fui muito “à bola” com a saga Star Wars. Aliás, tenho de admitir que nem sequer sabia, muito bem, do que se trava a história. Devo ter visto os 3 1º’s episódios (últimos na cronologia da história) na minha infância e na altura não liguei nenhuma. Claro que sempre conheci os personagens, eu cresci a ouvir falar do Jedi Luke Skywalker e do maléfico Darth Vader, mas sem nunca lhes prestar qualquer atenção.
Quando George Lucas decidiu retomar a história com esta trilogia, em que nos mostra o início de todas as coisas, já estava mais receptiva ao filme. A minha curiosidade residia, simplesmente, nos efeitos visuais, dos quais sou super fã, confesso. Tenho gostos muito comerciais, é verdade.
O 1º contacto (mais sério) com esta trilogia começou n’A Ameaça Fantasma, em 1999. Desde logo me rendi à ternura do pequeno Anakin Skywalker (Jake Lloyd) , aos dotes de representação (e não só) do Obi-Wan Kenobi (Ewan McGreggor) e do (não menos giraço) Qui-Gon Jinn (Liam Neeson) e à amorosa princesa Padmé Naberrie Amidala (interpretada pela menina prodígio Natalie Portman, que eu adoro).
Gostei deste filme, mas nada que me impelisse, ainda, a (re)ver a 2ª trilogia. Depois de o ver fiquei com a sensação de que não iria gostar de ver o final desta trilogia. Aquele menino tão fofo que dá pelo nome de Anakin, não podia transformar-se no monstro que eu achava que era o Darth Vader. Logo pensei em não ver o último filme. Podia ainda dar o benefício da dúvida e ver o próximo, Ataque dos Clones. Foi o que fiz, mas desiludiu-me muito. Achei o filme fraco, e pior o “novo”, mais crescido Anakin (interpretado pelo “good looking” Hayden Christensen) não me convenceu, nem como actor nem como Anakin. Depois deste filme, ao qual fiquei indiferente, não me senti tão mal, e já ponderava a hipótese de ver o último e derradeiro filme. Isto só para ver como tudo terminava, até porque a história de amor entre o Anakin e a Padmé (apesar de neste filme não haver grande química entre eles), deu-me algum alento. Se a saga terminasse por aqui, eu diria que o George Lucas deveria ter-se ficado pela 2ª trilogia… nem um actor credível para interpretar Darth Vader ele conseguiu dirigir. Penso que houve rumores, de que o próximo filme não seria interpretado pelo mesmo actor. A crítica foi muito ofensiva quanto aos dotes de actor do Hayden.
Mas, quando já nada o previa, eis que chegam as 1ª’s notícias e fotografias do último filme. Os cartazes prometiam um Anakin mais maduro, mais “homem”, desta vez com cabelo comprido, o que lhe deu um ar mais adulto e agressivo e, quem sabe até, um “bom” Darth Vader. Comecei a apreciar o Anakin ainda antes de ver o filme. A figura dele tinha sido alterada por completo desde o filme anterior.
Depois quando fui vê-lo ao cinema, fui acompanhada por autênticos fãs da saga, que me puseram ao corrente da história da 2ª trilogia. Isso contribuiu e muito para que eu ainda ficasse com mais expectativas. Dei por mim a pensar que o George Lucas tinha de responder a muitas perguntas que nunca tinham tido resposta. E pelo que eu lia na crítica, ele tinha pensado em tudo, a ponte entre o episódio III e IV era completamente erguida. Nada foi obra do acaso. Tudo tinha sido desvendado, e no final até conseguimos compreender os motivos do Any, o porquê da sua passagem para o “lado negro da Força” e a sua consequente transformação no malvado Darth Vader. E mais não digo, porque quem ainda não viu o filme, tem de ver. Pensem neste filme como uma história de amor linda e incondicional, porque foi isso que eu vi nele.
Foi o filme mais emotivo que vi durante o ano passado. Tão forte, que me deixou “desorientada” durante uma série de dias.
Depois de ter assistido ao final da 1ª trilogia, o que é que eu tinha de fazer o mais depressa possível? Claro, tinha de ver a continuação, (re)ver a 2ª trilogia era a prioridade. Felizmente esta trilogia tinha sido editada, novamente, agora em DVD, com um arranjo digital, onde o som, a qualidade visual e a inclusão de novas cenas deram-me, ainda, mais vontade de a ver.
O certo é que eu já tinha visto os últimos filmes, mas revi-os como se fosse a 1ª vez. E olhei para o Darth Vader de forma completamente diferente. Para mim, o herói da história é precisamente o Anakin/Vader. Qual Luke, Leia ou Han Solo. Definitivamente, tornei-me fã desta saga e dos 3 actores principais.

Ficha Técnica
Realizador: George Lucas
Descrição: Conselho de Jedis. Anakin Skywalker, o jovem cavaleiro Jedi, é colhido entre facções rivais e os seus laços de fidelidade são dilacerados. Seduzido por promessas de poder e tentações do Lado Negro, presta vassalagem ao maléfico Darth Sidious e torna-se Darth Vader. Os Senhores Sith põem em marcha um plano conjunto de vingança que começa com o extermínio dos Jedis. Apenas Yoda e Obi-Wan sobrevivem e têm de enfrentar os Siths sozinhos, o que os conduz a uma apoteótica batalha de sabres de luz em que Anakin se defronta com Obi-Wan e se decide o destino da galáxia.
Actores: Ewan McGregor, Hayden Christensen, Natalie Portman, Samuel L. Jackson, Jimmy Smits, Ian McDiarmid, Christopher Lee
Género: Acção, Ficção Científica
Ano: 2005
Ano de Lançamento: 2005
Duração: 134 minutos
Classificação: Maiores de 12 Anos
Classificação (de 0 a 10): 11 (sim, não me enganei, dou mesmo 11 de classificação)

3 notas celestiais

Sérgio "Morpheus" disse...

E acho muito bem! Mas que cena é essa, de não gostar da Guerra das Estrelas??? Era da minha obrigação mudar isso! Nesta casa não há lugar para indíviduos que não gostam d'A SAGA!!! Eh!Eh!

Pedro_Ginja disse...

O miúdo que fazia de Anakin no Epísodio I podia ser ternurento mas era o pior actor criança que vi na minha vida (numa das cenas em que recebe um beijo da mãe faz uma cara de quem está a afazer um frete)...

O episódio II mau??
Essa foi uma que ainda ninguém me conseguiu explicar (pode ser que consigas)uma vez que acho que é bem melhor que o I.

Em relação ao III gostei, sim, senhor. Tudo fez sentido. O que tinha visto antes tudo se ligou na perfeição e por isso a ponte de ligação foi estabelecida. Criuou-se um todo que antes se separava em duas trilogias. A Clássica e a nova.

Deste nota 11? de 0 a 10? Isso é que foi gostar.
Não chego a tanto, dei 8 mas gosto do entusiasmo.
Principalmente quando foi um dos filmes que me chamou para o cinema pela primeira vez. Antes de ver isto só queria andar na rua, depois já foi outra história...

Tchauu e bom trabalho aqui no blog

The Star disse...

Ora sê muito bem vindo ao meu humilde blog, Pedro. Gosto sempre de ter sangue novo aqui para estes lados.
Concordo contigo quando dizes que o pequeno Anakin do Ep.I não é grande actor, mas tal como eu referi, acho-o tão fofo, que isso passa-me um pouco ao lado.
Quanto ao "fiasco" que eu digo que é o Ep.II tem tudo a ver com a péssima interpretação do Hayden neste filme. Acho-o uma criança grande, sem qualquer conteúdo. Não sei como é que ele conseguiu evoluir tão bem do Ep.II para o III.
Uma coisa que eu gostei no Ep.II foi a faceta guerreira da Padmé, acho que ela, sim, está excelente neste episódio.

Continua a aparecer por aqui, e a dar o teu bom contributo.

3 notas celestiais