sábado, janeiro 03, 2009

West Side Story round #2


O ano não terminou sem mais uma incursão ao Politeama. Desta vez, estava marcada uma invasão, não sem antes um convívio muito saudável à hora de jantar. Estava era a ver que não chegava a tempo de jantar com o pessoal. Já que, pela 1ª vez, se lembraram de realizador uma corrida de S. Silvestre em plena cidade de Lisboa, onde a Avenida da Liberdade é sempre o palco destes acontecimentos. E estando a avenida cortada ao trânsito, todos os caminhos se entopem e me fazem andar às voltas à procura da melhor forma de deixar o carro seguro, isto num dia que choveu a potes horas a fio. Se já estava constipada, depois de uma aventura destas, ao frio e à chuva (que por acaso deu trégua), só podia ficar pior. Enfim…
Mas lá consegui chegar ao restaurante, onde já somos conhecidas e onde, desta vez (que eu tenha sido protagonista) não houve qualquer “incidente”. O Tiago Isidro (o Sargento Krupke e o director vocal) deu o ar da sua graça ao jantar. Um querido, portanto, já que foi o único que se dignou a dar-nos as boas noites pessoalmente antes da peça. :p
Chegados ao Politeama, instalados nos lugares mais inóspitos que podem existir, esse foi o grande pretexto para nos levantarmos sempre que algo de passava fora no nosso alcance visual. E mesmo depois de já ter visto a peça anteriormente, os nervos que sentia chegavam para o elenco todo. Nem imagino o que eles devem sentir antes de pisar aquele palco.
Desta vez, as músicas já eram conhecidas e foram entoadas a várias vozes. Tendo como companhia a minha “prima” querida de um lado e mais uma vez a Papiro e a B. do outro lado, mais a Dina, foi mais uma sessão bem animada, não só pelo espectáculo que decorria em cima do palco, mas pelo espectáculo que nós próprias produzíamos.
Desta vez, tive a oportunidade de ver a Lúcia Moniz na pele da maravilhosa Anita. Não consigo diz de quem gostei mais, se da Lúcia, se da Anabela, ambas estão muito bem. Da Anabela destaco a capacidade vocal, da Lúcia destaco a sua representação determinada e forte.
É sempre um encanto ver a Maria da Bárbara Barradas e o Tony do Rui Andrade, mas ainda não foi desta que consegui ver o Ricardo Soler e a Cátia Tavares nos papéis principais. Terá de ficar para a próxima vez. Que chatice!!! :p
De resto, o elenco está sempre muito bem… O Bernardo do Pedro Bargado e o Riff do Tiago Diogo são uns verdadeiros líderes. Uma das cenas que mais arrepia é precisamente a cena da sua luta… É notável ver a capacidade destes 2… Visto lá de cima do balcão, temos uma percepção que não conseguimos obter da plateia. O Bernardo para além de ser o líder conflituoso dos Tubarões e de defender os seus ideais a todo o custo, consegue aliar o seu amor para com a irmã e para com a sua amada. E… ainda dançar mambo como ninguém!
Outra das cenas que mais me comove pelo impacto, é a cena final e a altura do disparo. Eu já sabia o que ia acontecer, mas ainda assim me arrepiei toda.
E que dizer das personagens mais cómicos de toda a peça? Por um lado o David Ventura (e o seu Glad Hand) com um papel tão pequeno, mas tão marcado pelas gargalhadas que nos arranca e o “nosso” querido Ruben Varela e o seu maravilhoso Action, sempre de punhos em riste, olhar de mau, voz carregada de raiva… Tal como já tinha referido no post anteriormente dedicado ao musical, aqui só faltou uma coisa, uma música cantada a solo pelo Action.
Falta-me referir o trabalho de alguns dos Jactos, o Sérgio Lucas e o seu Snowboy (ele está tão bem na música Calma!), o André Lacerda na pele de A-Rab, o Jonas Cardoso e o mais jovem Jacto, Baby John (notável esta personagem, como me surpreendeu) e claro, a Cátia Garcia a dar vida a Anybodys (uma personagem que é uma delícia ver). Depois o sr. Carlos Quintas, é sempre tão bom ver este grande senhor do teatro.
Com o final do musical, a animação não ficou no palco, também se fez cá fora. Embora eu não estivesse nos meus melhores dias, que a constipação começava a fazer-se sentir, foi muito bom estar com alguns dos protagonistas da peça.
O Pedro estava muito animado, rodeado pelas “suas” meninas e de mais esta menina que adorou finalmente conhecê-lo. O André e o Rui ainda fizeram uma aparição na foto de grupo. E o Ruben, claro… que é sempre tão bem disposto, atencioso e tão querido para nós. O meu mais sincero obrigado por serem todos como são, pessoas maravilhosas.
Espero que este ano estas noites “loucas” se repitam inúmeras vezes.
Foi um prazer conhecer muitas de vós e foi de novo um prazer voltar a estar com as restantes.
Que venha a próxima invasão, eu já estou pronta para outra. Weeeeeeeee!!!!!!!

PS: Não será uma invasão, mas já está prevista outra incursão num teatro para assistir a um outro musical, bem ao nível deste. :D

3 notas celestiais

Dina disse...

Proponho que a próxima invasão seja a Forks: tu já lá chegaste, a Maria também, eu não consigo sair (nem quero....), pot isso, é só marcar o dia e... IMBAJAO!!!!

Atenção que o gajo que bebe sangue tem custos... Vou já avisando...

É sempre um prazer para mim encontrar as minhas amigas do teatro, e algumas delas tornaram-se amigas para a vida. É sempre bom rever os meus meninos e meninas da peça e partilhar estes bons momentos de boa disposição!!

Continuem a apresentar peças em Portugal que nós estamos lá para ver! Já provámos que vamos desde o Porto a Portimão!!

Beijinhos Miúda...
And..... ACTION!!!

Estrela disse...

Olá The Star :)

Estou a ver que mais uma vez adoraste a ida ao Politeama :)

Realmente fascinante seria sim ouvir um solo do Ruben naquele fantástico palco... Hummm que saudades do Judas interpretado pelo Ruben...

PS - Também adorei o filme "Crepúsculo". Fascinante...

Beijos
Alicia

The Star disse...

Dina, essa invasão a Forks, sai ou não?!?!? Tu não sais de lá, eu e a Maria já lá chegámos, mas ainda assim não é uma invasão… :p
Tu deves querer enriquecer à nossa custa, só pode! Cobras por todos e não deixas nada para ninguém. Acho que tenho de começar a cobrar, também, eheheh.
Do Porto a Portimão, é bem verdade. Eu só ainda não fui ao Algarve, porque até no Porto já tenho uma excelente aventura para contar aos netos.
Sabes que já ando a ressacar pela próxima aventura? A nossa saída é que está difícil e tu a desesperar… pela falta do Cullen.
Fica bem, chica!

Alicia, as idas ao Politeama são sempre animadíssimas. Pena mesmo não teres podido partilhado connosco mais esta aventura.
Sabes que também tenho saudades do Judas do Ruben, mas o Action entranhou-se tão bem, que consegue preencher o grande vazio deixado pelo JCS. ;)
O filme realmente é algo de fantástico, não é? Tens muito bom gosto, mas isso eu já sabia. :)

Beijinhos para vocês as 2.

3 notas celestiais